Victor e Leo se apresentará no show em comemoração ao Aniversário de São Carlos/SP - dia 04 de Novembro!


Um desfile com a participação das escolas do município e um megashow com a dupla Victor e Leo, vão marcar o 156º aniversário de São Carlos, que será comemorado nesta segunda-feira (4). A programação foi confirmada nesta quinta-feira (31) pela Prefeitura Municipal, através da Coordenadoria de Artes e Cultura.
A empresa Vida Boa Shows e Eventos Ltda, que agencia a dupla, foi contratada para produzir o espetáculo. Victor & Leo já se apresentaram em São Carlos nos anos de 2007 e 2009.

A dupla acaba de lançar o seu mais novo CD, " Viva por Mim", cuja música de trabalho "Na Linha do Tempo", está entre as mais executadas nas emissoras de rádio do País

As festividades começam no domingo (03), com shows de artistas de São Carlos, a partir das 17h00, na Praça do Mercado Municipal e uma apresentação da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, no Teatro Municipal "Alderico Vieira Perdigão", às 20h00, realização da Centrovias e apoio da Prefeitura Municipal.

Na segunda-feira (04), às 08h00 acontece o hasteamento das bandeiras, na Praça Coronel Salles, com apresentação do coral infantil da EMEB Arthur Natalino Deriggi e da banda do Tiro de Guerra.

Logo após o hasteamento acontece o tradicional desfile cívico, na Avenida São Carlos, com início na rua Padre Teixeira até a rua Conde do Pinhal, com a participação de bandas, motorizados, ciclistas, escolas municipais, estaduais e particulares.

Às 12h00, no Paço Municipal, haverá a inauguração do busto do Dr. Ernesto Pereira Lopes e na sequência, a abertura da exposição das obras de Salvador Dalí, no Espaço Paço. A partir das 13h00, espaço aberto para as crianças se divertirem na Praça da Antiga Piscina Municipal, com o SBT na praça, evento com brinquedos, trabalhos sociais e muita diversão.

Encerrando as comemorações a atração fica por conta da dupla Victor e Léo, grande sucesso da música sertaneja. O show acontece na Praça do Mercado, a partir das 20h. “É uma programação diferenciada, para ficar na história de São Carlos. Entidades e escolas estarão envolvidas no desfile, o hasteamento marca o civismo e o comprometimento com a cidade e os demais eventos também são de alto nível, como a exposição dos quadros do Salvador Dalí. E para fechar, tem o show com a dupla Victor e Léo, um grande sucesso sertanejo, que certamente vai levar muita gente até o mercado. Pensamos numa grande festa e contamos com a população para tornar os eventos ainda mais completos”, disse o prefeito Paulo Altomani.

Confira a programação:

Dia 03 (domingo):

- Shows com Pratas da Casa: Cantora Kellen, César e Matheus, Larissa e Matheus, na Praça Maria Aparecida Resitano (Praça do Mercado), a partir das 17h.

- Apresentação da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, no Teatro Municipal "Alderico Vieira Perdigão", às 20h. O evento é gratuito e aberto à população.


Dia 04 (segunda-feira):

- Hasteamento da Bandeira, na Praça Coronel Sales, às 8h. Com apresentação do coral infantil da EMEB Arthur Natalino Deriggi e da banda do Tiro de Guerra.

- Desfile Cívico Comemorativo 156 anos, na Avenida São Carlos (entre as ruas Padre Teixeira e Conde do Pinhal), às 9h. Confira as bandas que irão participar:

· Banda Marcial do Tiro de Guerra de São Carlos
· Banda Regimental de Música do 13º BPM/I de Araraquara
· Banda Sinfônica da Academia da Força Aérea de Pirassununga
· Banda da APAE de São Carlos
· Banda da Escola Livre de Música Maestro João Seppe
· Banda Marcial Olávio Fellippe - Dragões de Araraquara
· Banda Marcial da cidade de Dourado

*Salvo a banda de Pirassununga e de Araraquara, todas as outras são compostas por jovens.

- Show com a dupla Victor e Leo, na Praça Maria Aparecida Resitano (Praça do Mercado), a partir das 20h.O evento é gratuito e aberto à população.

- “SBT na Praça”, das 13h às 17h, na Praça Pedro de Toledo (antiga piscina municipal, localizada na rua São Joaquim, onde serão desenvolvidas várias atividades com a população, com brinquedos infláveis e equipe de cabeleireiros realizando corte de cabelos e maquiagem nos presentes. As atividades serão filmadas e exibidas durante a programação da emissora.


FONTE: Portal k3 / Prefeitura Municipal de São Carlos.

Dupla Victor & Leo faz show em Campinas!


O público de Campinas e região terá a oportunidade de assistir a dupla Victor & Leo em uma apresentação premium, na Kiss & Fly Country Concept, quarta-feira, dia 6 de novembro, a partir das 22h. Os ingressos já estão à venda e custam a partir de R$ 100,00.

No show, o público poderá conferir todos os sucessos de carreira, como ‘Tem que ser você’, ‘Fotos’, ‘Fada’, ‘Vida Boa’, ‘Sinto falta de você’, ‘Amigo apaixonado’, ‘Lembranças de Amor’, ‘Borboletas’, ‘Deus e eu no sertão’ e ‘Nada Normal’, todas de autoria de Victor.

Victor & Leo formam uma dupla como poucas no mercado sertanejo. Além de cantores, são compositores, arranjadores, produtores e músicos, e representam a continuidade renovada do estilo musical. No show eles apresentam uma mistura de folk, pop, romantismo e sertanejo de raíz.

Ao longo da carreira, Victor & Leo acumulam 10 CD´s, 2 DVD´s e 2 Blue-Rays, além de 2 DVD´s documentários “Nada Es Normal”, em espanhol e “Victor & Leo – A História”.

Os ingressos para o show de Victor & Leo já estão a venda. O projeto de arquitetura da Kiss compreende 1500m² e está dividido em Mezanino e Espaço Kiss (térreo). No Mezanino o cliente encontra amplos e confortáveis camarotes para 10, 15 ou 20 pessoas, bistrôs, Espaço Chandon, deck privativo e Espaço Mulher – com serviço de maquiador e cabelereiro. Já o Espaço Kiss possui camarotes, bistrôs, pista de dança e chapelaria. Em ambos o cliente terá banheiros confortáveis e luxuosos e várias opções de bares.

Serviço:

Victor & Leo na Kiss & Fly Country Concept
Data: quarta-feira, 6 de novembro
Horário: a partir das 22h.
Informações e reservas: (19) 3756-7799 - contato@kissandflycampinas.com.br
Valores: a partir de R$ 100,00


FONTE: Paulínia Vip

Novas Postagens do Leo ( via @leoczsp no instagram )

Matheus e Antônio entraram no clima!!!Sairam de casa em casa junto com outras crianças pedindo doces!!Muita diversão!!Isso é ser criança!!!                                                                                                                       

Halloween!!Cuidado moçada!!Sairemos por ai!!Adorei a montagem!!!                                                                

Fotástica!!Gostei!!                                                                                                                                         

Pedal monstro ao lado do parça @faelfarnezi!!40 kms básicos!!A propósito,antes eu estava ouvindo Vamos Fugir(Gilberto Gil).Indico demaaaaais!!!

Nova Postagem do Leo ( via @leoczsp no instagram )

Ouvindo uma música top,a caminho de uma pedala!!Lembrei de vcs,claro!!Saudade moçada!!!Ótimo fim de tarde a todos!!!Deixe viver o que é vida dentro de você!!!Basicamente isso!!!

Foto postada do Instagram do Rildo Cruz - @rildocruz.


Lançamento Oficial do livro Zoic e o futuro do Planeta. Um projeto lindo com Participação de Matheus Chaves - 30/10/2013!!!

Educação ambiental é o foco do trabalho em livro que conta história do Alien Zoic. Narração de Matheus Chaves!
Jonas é um garoto muito descuidado que, incentivado pelo avô, descobre as histórias do alienígena Zoic e as maneiras de preservar
 o meio ambiente e, com isso, salvar o planeta Terra. Argumento principal da história criada pela artista e cantora Fernanda de Oliveira e o músico Giordano Pagotti, as amizades de Jonas, o avô e o alienígena formam o enredo do livro infantil “Zoic e o futuro do planeta” (independente, 22 páginas, R$ 30), que será lançado nesta quarta (30), em Uberlândia. A obra é acompanhada de um CD com a narração da história e a trilha sonora composta por Pagotti e gravada em Uberlândia.



Fernanda de Oliveira, Matheus Chaves e Giordano Pagotti (Foto: Cleiton Borges)

“A música contribui para a criação de um mundo fantástico na imaginação dos leitores, além de estimular a percepção musical da criança. Há um CD narrado, com trilha e um só com a trilha, para que os pais narrem a história para os filhos com uma trilha sonora”, disse Pagotti.

Os pais do músico, Antônio Pagotti e Sueli de Godoy Pagotti, que são doutores em psicologia infantil, colaboraram na escrita do livro, ao abordarem assuntos importantes ao crescimento das crianças. Eles e os autores do livro participam da narração do CD com o garoto Matheus Chaves, de 6 anos, filho do cantor Leo Chaves.

Para Pagotti, “Zoic e o futuro do planeta” é um livro infantil criativo carregado de objetivos educacionais. “É antes de tudo uma boa história que busca cativar a criança. A história estimula a fantasia, o sentimento de aventura, e valoriza os atos positivos”, afirmou o autor.

Sinopse

Ao mexer nas gavetas do avô, o senhor Ventura, o garoto Jonas descobre um tesouro: uma medalha de ouro. O avô revela, então, que ganhou a medalha depois de participar de uma viagem espacial. O senhor Ventura conta ao neto que o foguete caiu em um planeta estranho, todo destruído, onde morava um alienígena chamado Zoic.
O alienígena conta a história do planeta ao avô de Jonas e ajuda os terráqueos a voltarem para a casa, com uma mensagem muito importante que o garoto deve descobrir.

Informações: 3255-8252 e no site http://www.zoic.com.br/
Facebook: Zoic e o Futuro do Planeta


Veja fotos:

Fernanda de Oliveira, Matheus Chaves e Giordano Pagotti 
 Giordano Pagotti, Matheus e Antônio Chaves e Fernanda de Oliveira

 Matheus e Antônio Chaves e Fernanda de Oliveira
Matheus Chaves e Fernanda de Oliveira
































Nova Postagem do Leo ( via @leoczsp no instagram )

Hoje foi o lançamento oficial do livro Zoic e o futuro do Planeta.Meu filho Matheus participou desse projeto fazendo a narração do personagem Jonas.É fantástico o livro!!Podem comprar pra criançada!!!Vejam,teve noite de autógrafos,e o Matheus todo estiloso!!!!Rrrrrss!!Orgulho do Pai!!!

Barretos 21014 - Victor e Leo estão entre as possíveis atrações!!


Quem é ligado nos circuitos de festas de peão, com certeza, já foi ou já ouviu falar sobre a festa de Barretos, um dos maiores e mais tradicionais eventos de peão de toda a América Latina. Barretos 2014 está programada para acontecer na cidade de Barretos, no interior de São Paulo.

A festa faz muito sucesso entre os fãs de música sertaneja tradicional e do sertanejo universitário. O rodeio de Barretos 2014 promete, mais uma vez, ser uma grande festa de peão do nosso Brasil.

Barretos 2014 vai ter rodeio, festival de música, shows, apresentações de cavalos e touros e, claro, muita badalação e paquera entre os jovens que se reúnem todos os anos para curtir os dias de festa.O público boiadeiro de todo o Brasil e a galera da bota e do chapéu vão se encontrar mais uma vez em Barretos 2014. É só aguardar para ver o que esse evento prepara para o próximo ano.

As atrações de Barretos 2014 ainda não foram oficialmente divulgadas, mas é certo que a programação vai contar com nomes tradicionais do sertanejo brasileiro, como Fernando e Sorocaba, Jorge e Matheus, Victor e Leo, Zezé de Camargo e Luciano, entre outros nomes. Os cantores da nova geração também devem marcar presença no evento, entre eles Israel Novaes, Luan Santana, Michel Teló e Gustavo Lima.

Artistas de outros gênero musicais, como o pop e o funk, também costumam se apresentar na festa. Basta esperar o cronograma oficial de shows para conferir os nomes das principais atrações.

Além dos shows, o público pode esperar algumas atrações tradicionais, como as competições de laço, tambores e montaria. Vale lembrar que a festa de peão de Barretos 2014 deve acontecer na segunda quinzena de agosto. O evento costuma durar onze dias, e reúne cerca de milhão de pessoas.



FONTE: Tudo em Foco.

Victor e Leo estão entre as atrações do Show da Virada 2014!!


Show da Virada 2014

Artistas:

* Programação sujeita a alteração*


26 de novembro:

Arlindo Cruz
Diogo Nogueira
Mariene de Castro
Pixote 
Grupo Revelação
Thiaguinho
Zeca Pagodinho
Cesar Menotti & Fabiano
Fernando & Sorocaba c/Monobloco
Gabriel Valim 
Leonardo
Luan Santana
Zezé Di Camargo & Luciano
Wanessa Camargo
Jota Quest
Oba Oba Samba House
Mc Koringa c/ MC Marcinho
Paula Fernandes
Anitta 
Claudia Leite
Asa de Aguia
Saulo 
Tche Garotos
Latino 
Thales Roberto


27 de novembro:

Alcione 
Belo 
Bom Gosto 
Mumuzinho c/ Alexandre Pires
Péricles 
Sorriso Maroto
SPC 
Turma do Pagode
Bruno & Marrone
Gusttavo Lima
Israel Novaes
João Lucas e Marcelo c/MC K9
Jorge & Mateus
Victor e Leo
Michel Teló 
Frejat 
Capital Inicial
Sambô 
Skank 
MC Bola 
Naldo Benny 
Jammil 
Wesley Safadão com Léo Santana
Gaby Aamarantos
Pe. Fábio 
Sapucapeta


Valor dos ingressos no: 
Qua 21:00 27-Nov-2013

Camarotes
Inteira - R$ 100,00
Meia Entrada - R$ 50,00

Pista
Inteira - R$ 60,00
Meia Entrada - R$ 30,00

Plateia
Inteira - R$ 40,00
Meia Entrada -  R$ 20,00




FONTE: Tickets For Fun

O Popular - No ritmo de amor!

Sem perder a essência romântica, Victor e Leo propõem renovação musical no disco Viva Por Mim
Victor e Leo: irmãos continuam apostando no romantismo no seu novo CD, Viva Por Mim


Uma renovação musical, mas sem perder a essência do romantismo, marca registrada deles. O novo disco de Victor e Leo, Viva Por Mim, traz um som carregado de influências de soul e pop, hard rock, black music, r&b, com partes eletrônicas, guitarras, teclados e o bom e velho violão. O 11º álbum marca a estreia deles pela gravadora Som Livre e conta com as participações das duplas Bruno e Marrone e Jorge e Mateus e de Almir Sater. Outra novidade do trabalho é na produção, dessa vez comandada por Leo.

Nas composições das 13 músicas do álbum, Leo assina oito em parceria com outros artistas – algo que era exclusividade de Victor. Uma curiosidade é que ele começou a compor há apenas três anos. “Foi algo que aconteceu naturalmente, comecei a sentir essa necessidade de transpor as minhas vivências e emoções para o papel. Aflorei esse meu lado e vou continuar compondo muitas outras”, disse ele em entrevista por telefone ao Popular.

Em conjunto, a dupla fez as canções O Tempo Não Apaga e Faz Bem Se Apaixonar. A primeira foi composta no camarim de um show em Santa Catarina. Victor fez os arranjos e o irmão caçula começou a escrever. Ambos a finalizaram em 30 minutos. Já Victor assina sozinho Nem Sei, que começa em clima folk até ganhar o toque da guitarra, e O Que Tens, bem romântica, sobre um cara apaixonado. Foge à regra a animada e despretensiosa Conheço Pelo Cheiro.

Outra composição de Victor é Tudo Bem, que faz uma exaltação à vida simples no campo e que ganha ainda mais tradição na parceria com a voz e a viola de Almir Sater. É a única com uma pegada raiz, o que mostra certo distanciamento do sertão, temática forte em outros trabalhos como Borboletas (2008) e Boa Sorte Pra Você (2010). A redução dessa vertente na discografia deles talvez seja a única crítica ao álbum.


Sucesso:

Ainda desfrutando do sucesso do último álbum, em setembro, Victor e Leo receberam a notícia de sua quinta indicação ao prêmio Grammy Latino, que será entregue no dia 21 de novembro, em Los Angeles (EUA). Os irmãos concorrem na categoria melhor álbum sertanejo com Ao Vivo em Floripa (2012).

A primeira faixa do recém-lançado disco Viva por Mim não é composição da dupla. Na Linha do Tempo, a mais tocada durante sete semanas seguidas por todo o Brasil neste semestre, é assinada por Marcelo, da dupla goiana João Lucas e Marcelo, e por Sérgio Porto. A letra chegou até eles em uma melodia de reggae e por pouco não acabou ficando de fora do disco.

“Eles a mandaram para mim em voz e violão, um reggae. Quando ouvi gostei muito da essência da música, da letra, mas não curti a levada, o ritmo. Entrei para o estúdio e comecei a experimentar em forró, em acústico mais romântico e a música não virava, cheguei até a desencanar dela, achei que não ia rolar. Mas, quando resolvemos experimentar um piano, foi um casamento perfeito”, lembra Leo, que na sua safra inclui ainda uma canção de moldura pop, Tudo Com Você, uma das mais animadas do álbum.

Álbum: Viva Por Mim
Artista: Victor e Leo
Gravadora: Som Livre
Preço: R$ 19,90

Parcerias ilustres no disco

O disco Viva Por Mim conta com participações especiais de Almir Sater (Tudo Bem), Bruno e Marrone (Eu Vim Pra Te Buscar) e Jorge e Mateus (Guerreiro). Esta última, com o tema futebol, é providencial para 2014, ano de Copa do Mundo. “São músicos de três gerações diferentes”, diz Leo.

Sater estava no toca-discos da dupla desde a infância e é influência declarada. Bruno e Marrone fizeram parte do repertório da dupla mineira no início da carreira, quando eles tocavam nos bares, além de ser uma parceria sempre muito pedida pelos fãs.

Já a parceria com a dupla goiana Jorge e Mateus representa a nova geração, posterior à de Victor e Leo, e a canção escolhida para ser gravada ao lado deles tem uma pegada mais dançante. “São artistas com os quais nunca tínhamos feito nada juntos e ficamos muito satisfeitos com o resultado”, avalia Leo.

Pitadas do novo disco serão apresentadas aos goianos no dia 8 em show em Rio Verde, a 232 quilômetros de Goiânia. “Vai ser muito bacana voltar a Goiás. A afinidade que temos com o público daí é impressionante. Um dos primeiros lugares em que ficamos conhecidos foi aí. E quando vamos para o Estado usufruímos dessa energia e sinergia que temos com os goianos”, declara Leo.

Entrevista/Leo


A música Na Linha do Tempo já é a mais tocada durante sete semanas seguidas em todo o Brasil. Como você avalia essa boa repercussão imediata ao lançamento do álbum Viva por Mim?
Acho que vai muito pela originalidade da música, pela personalidade que ela traz para o mercado em uma época que só se cria um tipo de música no Brasil e você chega de repente com uma coisa totalmente nova, com influência meio black music, totalmente romântica. É uma coisa nova para o mercado e acho que as pessoas estão buscando isso. Além disso, é uma música que tem uma mensagem bacana e uma letra bonita.

Como essa música chegou até vocês?
A música não é minha, é de um compositor daí de Goiânia, o Marcelo, da dupla João Lucas e Marcelo, e do Sérgio Porto. Eles a mandaram para mim em voz e violão, um reggae, quando ouvi gostei muito da essência da música, da letra, mas não curti muito a levada, o ritmo. Então, entrei para o estúdio e comecei a experimentar em forró, reggae, em acústico mais romântico e a música não virava, cheguei até a desencanar da música, achando que não ia rolar. No terceiro dia resolvemos experimentar um piano e foi um casamento perfeito. Quando fizemos o clipe acreditamos que poderia ser a música de trabalho, pela força dela.

Como surgiu a ideia da parceria com o Bruno e Marrone, com o Jorge e Mateus e com o Almir Sater?
Isso surgiu muito naturalmente dentro do estúdio. Quando estava produzindo o disco, envolvido praticamente o dia inteiro com o trabalho e fazendo os arranjos de todas essas músicas, sempre ouvia e falava: “essa (Guerreiro) combina com o Jorge e Mateus”, “essa outra (Eu Vim Pra Te Buscar) com o Bruno e Marrone...”. O Almir Sater é uma grande referência, um artista dentro do folk, da música sertaneja de raiz, área na qual nós sempre estivemos. Então, quando a gente ouvia a músicaTudo Bem, o imaginamos cantando a letra. São artistas com os quais nunca tínhamos feito nada e ficamos muito satisfeitos com o resultado.

A dupla compõe, produz, arranja, dirige, toca e interpreta. Como foi o processo de produção deste novo disco?
Eu não era de compor. Não tinha costume de escrever. Comecei a compor há três anos. Nas últimas férias de janeiro e fevereiro, experimentei algumas coisas de produção, arranjos das minhas letras e tentei fazer virar melodia, virar música. Deu certo, fiz uma, duas, três, quatro, mostrei para o meu irmão e a sonoridade começou a tomar um rumo diferente. O Victor gostou e disse que eu deveria continuar produzindo o disco, porque, se ele fizesse junto, ficaria uma coisa heterogênea e preferimos algo homogêneo. Acho bacana. Gostei e continuei produzindo, me dediquei de fevereiro a agosto a esse projeto sempre trocando ideia com meu irmão, ele sempre opinando, entrando junto no estúdio. Em 21 anos cantando juntos, temos muito um do outro. Primeiro teve o processo de pré-produção, depois a gravação com a banda e por último colocamos a voz.

Qual a expectativa em relação ao novo trabalho Viva por Mim?
Temos uma expectativa excelente porque as pessoas estão absorvendo bem, entendendo o que a gente faz. É um disco ousado, muito original. Ele traz influências do hard rock, r&b, rock britânico, black music, traz muitas coisas novas que a gente ainda não tinha mostrado tão claramente assim em outros trabalhos. As pessoas estão gostando, compreendendo nossa sonoridade, nossa mensagem. Considero um trabalho diferente. A expectativa é que a gente consiga repaginar, remodelar um pouco nossa história dentro da música. Essa é a intenção.

Em tempos que as letras animadas do sertanejo universitário estão em alta, vocês continuam apostando em canções românticas. Esta é a fórmula do sucesso de Victor e Leo?
Isso é a essência do Victor e Leo. Gostamos da música sertaneja de raiz, que sempre esteve presente na nossa trajetória, e o romantismo misturado com outros ritmos, outras praças musicais. Acho que vai continuar sendo assim. Encaro o sertanejo universitário como uma evolução, modernização do gênero. Acho isso natural e vejo de maneira positiva. Para mim, o rótulo de música universitária é simplesmente um rótulo, está tudo inserido dentro do segmento. O ritmo sempre teve essas vertentes, músicos que faziam letras mais alegres, dançantes e festivas, e outros que optaram pelo romantismo, com o lado mais bucólico e rural inserido. Respeito todo mundo.

Essa diversidade de estilos dentro do próprio gênero te agrada?
Acho bom, principalmente por causa do público, você tem uma diversidade de estilos para curtir, tem gente que vai gostar de uma determinada vertente, porque é mais enraizada, outros vão gostar de um lado mais romântico, outros vão gostar de uma vertente mais festiva, dançante e acho isso muito saudável.

Você agora começou a escrever ,o que antes era uma tarefa somente do Victor. De onde vem a inspiração para compor canções tão românticas?
Aconteceu naturalmente, comecei a sentir essa necessidade. Isso aí são vivências. Situações que eu vivi no passado ou atualmente. Acho que é uma forma de transpor minhas emoções e sentimentos para o papel. Às vezes me inspiro até em situações de outras pessoas. Mas sempre voltado para o lado romântico.

Como é serem artistas tão multifacetados? Como conciliam tudo isso com a vida pessoal?
É um pouco complicado. Tenho dois filhos e minha esposa, uma família. Minha agenda é muito cheia e a gente viaja muito numa rotina desgastante, mas tento tornar mais intenso os momentos que consigo estar com eles. Tento intensificar esses períodos para suprir minha ausência. Mas, quando estou de folga, estou sempre junto com eles, não abro mão disso.


FONTE: O Popular

Victor e Leo lançam 11° CD e aderem ás redes sociais: "Serve como companhia na estrada"


Victor e Leo acabam de lançar o "Viva Por Mim", 11° álbum da carreira dos artistas. Se o "Ao Vivo em Floripa" já mostrava a dupla transitando em diversos ritmos, esse mostra ainda um outra faceta dos irmãos. "Eu diria que é uma forma mais escancarada de mostrar as fontes que a gente bebeu de música. Ele mostra outros ventos, que sempre sopraram pra gente.Hard Rock, R&B, Black music...", explicou Leo, que pela primeira vez, se arriscou como compositor de algumas faixas.

O álbum conta com 13 canções. Entre elas, as mais dançantes são "Amor.Com" e "Conheço PeloCheiro". As batidas mais pesadas podem ser ouvidas - e sentidas - em "Tudo Com Você" e , principalmente, em "Eu Vim Pra Te Buscar,canção em parceria com Bruno e Marrone, que deve ser a próxima de trabalho do álbum.

O romantismo da dupla segue em "O Tempo Não Apaga" e "Na Linha Do Tempo", faixa que já vem sendo trabalhada. E, para quem gosta dos irmãos cantando clássicos como "Vida Boa", eles matam a saudade com "Tudo Bem", com Almir Sater (que está entre as melhores do CD). Nessa faixa eles mostram que, mesmo com tanta inovação e vontade de repaginar, a raiz da dupla acaba falando mais alto.

IG: Antes de lançarem o CD vocês afirmaram que esse seria um trabalho diferenciado, com uma ideia renovada. Hoje, como definem esse álbum?
Victor: É uma mistura do que a gente sempre faz, porém com uma cara um pouco diferente no sentido de sonoridade. A gente sempre misturou muito, sempre teve uma cadência claramente mista, heterogênea. Por isso que muita gente sempre confundiu nosso estilo com tudo. E a gente sempre disse que  nosso estilo é nosso estilo. Continua sendo. Mas é obvio que esse disco traz essa mistura de maneira mais elétrica.
Leo: Eu diria que é  uma forma mais escancarada de mostrar as fontes que a gente bebeu de música. Ele mostra outros ventos, que sempre sopraram pra gente. Hard Rock, R&B, Black Music... Mantendo o que a  gente sempre teve. A nossa essência está no romantismo. Mas esse disco escancara. Ele ousa. A intenção nossa é repaginar mesmo.

IG: Por terem essa intenção de repaginar, vocês já estavam prontos para receber críticas, certo? Já ouvi alguns comentários, por exemplo, de que algumas canções estão lindas, mas não são a cara de vocês.
Leo: Qualquer mudança brusca que você tenha na vida, tanto na pessoal quanto profissional, você põe a cara a tapa. E, quando você põe a cara a tapa, está preparado para receber um sim ou um não. Então não me incomoda, definitivamente, as críticas. Até porque, pelo o que vejo, são mínimas.
Victor: A maioria é positiva. É diferente, mas é Victor e Leo. A maioria entendeu muito bem o trabalho, absorveu bem. Se não fosse, também... Tudo bem.
Leo: Foi um disco ousado. Algumas pessoas brincavam que foi um tiro no escuro. Não. A gente sabia onde estávamos atirando. Acho que essa questão de as pessoas falarem que é legal, mas não é Victor e Leo, está muito ligada ao preconceito. Você, por ter feito um determinado estilo de 2006 até 2012, não pode mudar em 2013. O que acontece na música sertaneja hoje é a mesma coisa. Falam que se não fizer o que se fazia nos anos 80, que é viola, sanfona, aquelas levadas mais rancheiras, não é  música sertaneja. Eu já vejo com outros olhos. E uma evolução da música sertaneja.

IG: Victor, você comentou que se o pessoal não gostar, tudo bem. Muitos artistas afirmam, que, o que cantam, não é exatamente o estilo que gosta, mas toca porque é aquilo que o público quer ouvir ou o que a gravadora e as rádios pedem. Você não se importam com isso, então?
Victor: O artista que não faz o que ele quer ou o que aprova, está sendo fake. Não sei que artista é esse. Se você gosta de ouvir um artista que não é aquilo que ele faz, você ouviu o que ele fez, mas você não ouviu que ele é. Não é nem um pouco sincero.  Todo mundo tem direito até de não ser sincero. Mas no caso da gente, a gente procura ser.

IG: Leo, e seu momento compositor? Teremos mais canções suas pela frente?
Leo: Não tenha dúvida. Não paro mais de compor. Tenho mais de 40 letras escritas em meu laptop pra fazer melodia. Nunca fui de escrever. Comecei de três anos para cá. Senti uma necessidade de expor minhas emoções, minhas vivências amorosas, do passado e do presente. Resolvi me experimentar. Estou super feliz e realizado com isso, porque as pessoas entendem. Só estou começando, me experimentando ainda.

IG: Como foi a escolha de convidados para o CD?
Victor: Partiu do Leo.
Leo:  Meu irmão esteve junto comigo o tempo inteiro.Na verdade o que acontece de eu estar mais presente, foi porque as primeiras músicas que eu produzi e fiz os arranjos, fizeram uma curva um pouco mais acentuada para outros estilos. O Victor, então, falou: 'você devia continuar fazendo porque se eu começar a fazer as minhas, não vai ficar um disco homogêneo'. Mas tudo o que eu venha a fazer tem muito do Victor. São 21 anos cantando juntos. Mas sobre os convidados, o Almir Sater é um grande ídolo, que nos influenciou muito. Foi uma escola para gente. Jorge e Mateus foi uma coisa também que a gente já queria fazer há algum tempo. É uma dupla que a gente admira, é referência hoje para o mercado inteiro. A outra parceria foi o Bruno e Marrone,que é uma dupla que a gente admira há muitos anos. Quando mostramos a música, o Bruno ficou meio em dúvida.

IG: Ele comentou que não tinha entendido...
Leo: Exato, no primeiro dia ele ficou assustado. Achei que ele não fosse querer gravar, não (risos)

IG: Em recente entrevista para o IG, O Sérgio Reis lembrou da música que você deixou com ele e ele não gravou...(http://sertanejo.ig.com.br/?p=3200)
Victor: Ele tem a versão dele e eu tenho a minha (risos)

IG: Então conta a sua versão dessa história.
Victor: Na verdade, o caso com o Sérgio Reis era diferente de tudo. Não queria que ele gravasse só porque ele era um artista de sucesso. Tive acesso a outros artistas e não levei música nenhuma. Já tínhamos nos encontrado com o Sérgio Reis em Minas. Aí nos reencontramos e gravei umas cinco músicas e deixei um CD. Como o Sérgio era um cara que a gente ouvia quando a gente era garotinho, ele era uma espécie de herói. Não era história do Batman ou do Superman, era o Sergião com espingarda, uma faca na bota, num vagão de trem. Estava no nosso inconsciente sonhador. Deixei o CD para ele lá. Acho que ele não ouviu, deve ter esquecido. Aí, um dia, o filho dele ouviu e reconheceu que estava naquele disquinho 'Vida Boa' quando começou a estourar. Tipo cinco anos depois. Aí meu celular já não era o mesmo. Ele inventa outra história, que não deixei o telefone, sei lá mais o que (risos). Encho o saco dele.

IG: E vocês, escutam todas as canções que recebem?
Victor: é muita coisa...
Leo: Eu escuto quase tudo, porque tem músicas que você escuta a primeira frase e já pula para outra. Mas tudo o que chega no escritório procuro escutar. Sempre faço um laboratório.

G: Vocês agora estão assíduos no Instagram, em especial o Leo. Isso é para se aproximar mais dos fãs?
Leo: Não sei definir, mas tem a ver com o que você falou. Às vezes estou no hotel sozinho, depois do terceiro ou quarto dia, e você fica naquela solidão total da estrada, que você sai do palco e segue para o hotel, entra no avião, e vai para o palco, aquela coisa cercada. Você acaba ficando meio isolado, não tem muito contato, família longe, amigos longe. Hoje, para mim, esse lance da internet serve como uma companhia. Mas vem também dessa mudança geral que a gente teve, tanto no show, quanto na sonoridade, talvez um pouco no visual. É uma mudança interna.
iG: Sobre essa questão de mudança no visual, como você tem recebido as críticas?
Leo: Quando são positivas eu até paro para escutar. Mas quando são maldosas...
Victor: ou boatos…
Leo: É, ou boatos, é uma coisa que eu escuto e finjo que não escutei, vejo e finjo que não vi. O que acontece é uma mudança interna. Uma mudança minha. De alguns anos para cá, venho mudando a forma de lidar com as pessoas, de enxergar o ser humano. Amadureci. Tudo mudou. Principalmente o lado de me comportar. E isso refletiu naturalmente no visual. Não me sentia mais bem usando o que eu usava antes. Então comecei a procurar coisas novas. Me sinto bem assim. É o que eu tenho para dar hoje. Mas tem tudo a ver com a mudança musical, engloba uma série de coisas.
iG: Engloba também esse lance de ter começado a escrever?
Leo: Tem tudo a ver. Mas acho que o interessante em dizer é o seguinte. As pessoas falam: ‘poxa, você deixou de ser o Leo simples que eu conhecia’. Não acho que a simplicidade está nas vestimentas. Está na alma, na forma de você tratar as pessoas, lidar com as pessoas, se relacionar. A sociedade tem mania de julgar. Estou cansado de ver nego de terno e vestido bem, mulheres vestidas todas certinhas, que se você puxar a ficha delas, não vai gostar muito. Não me importo hoje em dia com nada do que eu vejo. Até porque nossos olhos são muito mais cegos do que a gente imagina.
iG: Victor, esse CD tem música para a Claudia Swarovski, o anterior tinha para a Laura Muller, nos outros, acredito que tenham outras canções para outras mulheres que passaram na sua vida. Quando a gente termina relacionamentos, a primeira reação é jogar tudo fora, rasgar lembranças e você não pode fazer isso, porque a música continua sendo seu trabalho. Como você leva isso? O que fica para você?
Victor: Eu não vinculo tudo dessa maneira. Porque a música, para mim, é só o resultado de uma transformação. É transformar um sentimento, um senso poético, um senso romântico em música. Depois de um tempo, essa música perde a característica de onde ela tenha surgido. Hoje, quando canto “Borboletas”, estou cantando uma música que parece que nem fui eu que compus. Não me lembro todas as vezes em que a canto, porque eu a fiz ou quem é que estava no contexto. A partir da nossa relação apareceu uma música, mas ela vai ter papel independente da gente. O papel depois que for gravada, é cultural, é artístico. E só voltando ao quesito de rede social, não é que eu não poste tanto, mas somos muito diferentes. Tenho um jeito de lidar com isso. Você já entrou? Viu o que posto?
iG: Sim. Você sempre coloca uma foto de natureza e um texto enorme, em forma de poemas. O Leo já gosta mais de mostrar o dia a dia…
Leo: (Para Victor) Você não gostava de rede social, começou a gostar há pouco tempo. Você mudou muito, começou a gostar.
Victor: Continuo não gostando dentro da visão que eu tinha. Eu jamais teria rede social para (Victor pega o celular, faz que está tirando um foto de si, sorrindo)… e coloco, “bom dia, gente amiga”. Isso não vai dar pra mim. Tem um monte de gente que gosta, não tem problema. Mas isso não é para mim. Eu queria ter uma ferramenta. Quando me separei, houve uma questão que envolvia a possibilidade de alguém inventar uma história para a gente. Foi a minha rede social o vetor de uma causa que estancou isso. Até que pensei, vou dividir alguns poemas, pensamentos, coisas que possam instigar. Houve até quem dissesse: “ih, você não vai ter nenhum seguidor”. Até que tem bastante gente chegando lá.
iG: Ainda sobre essa questão de rede social, o fã pode falar mais o que quer. E os que não são fãs, podem ir até lá para criticar diretamente. Isso não incomoda?
Victor: Quando alguém fala merda eu bloqueio, o Instagram é meu.
Leo: No meu também. Quando alguém opina de uma forma positiva, faz uma crítica com respeito, com educação. Deixo lá, não tem problema. Mas quando vejo que tem maldade, negativismo, às vezes até respondo.
iG: Em 2012, quando a gente fez essa entrevista, vocês criticaram bastante o cenário sertanejo da época. Apesar de ter sido um ano de diferença, como vocês analisam esse ano o cenário atual?
Leo: Particularmente critiquei muito o mercado. Eu disse que o mercado estava completamente prostituído. Acho que isso não mudou ainda, continua talvez um pouco mais prostituído. Sobre essa leva de artista novos, o que se faz hoje em termos de arte, música, conteúdo, o que tenho a dizer é que respeito tudo o que se faz, mas nem tudo ouço no meu carro. Posso não escutar determinado artista, mas sei que o cara está colocando dez mil pessoas na frente do palco. Se ele está fazendo bem para aquelas pessoas ou não é uma responsabilidade dele. Não cabe a mim julgar.
iG: Vocês foram indicados pela quinta vez ao Grammy Latino de Melhor Álbum. Acham que agora vocês trazem o prêmio para casa?
Victor: Não acho nada. Você imagina quantas centenas de milhares de artistas que existem e, a cada ano, quantos aparecem. Então você ter o quinto álbum indicado na sua carreira, é de um incentivo, de um primor muito grande. Agora, depois que você tem quatro indicados e não ganhou, o quinto você não precisa esperar nada (risos). Deixa andar.
Leo: Acho que esse ano vai dar. Já comprei até duas garrafas de vinho para comemorar. Acho que vai dar (risos).
iG: O Leo está mais otimista, heim?
Victor: Não sou pessimista, não acho que não vá ganhar. Mas eu achar que eu vou, também…Premiação é isso. Já assisti da cadeira premiações nas quais eu nem fui indicado, mas que eu sabia bem dentro da minha crítica pessoal, quem deveria. Entre quem deveria, se não ganhasse vinha um segundo. E um terceiro. As outras opções, nem cogitava. Entre elas, essas últimas eram as que ganhavam.
Leo: Comprei vinhos excelentes, para comemorar mesmo. Mas eu garanto uma coisa. Ganhando ou não, vou tomar as duas garrafas (risos).
Victor: Também comprei duas. Uma vou jogar na cabeça dos juízes. A outra vou beber pra esquecer.
Victor e Leo (Foto: Divulgação)

Autor: Tags: 
Com Comentário da Nossa Presidente Jeannyne VitórioSou fã da dupla há 5anos , faço parte do Fa clube Borboletas (PB) e a cada dia me orgulho deles. Victor e Leo na vida de muita gente, são anjos enviados por Deus, porquê? Porque com suas músicas tiram pessoas do fundo do poço, reatam casamentos e fazem com que nós conhecemos pessoas que se tornam especiais em nossas vidas, amigas de verdade, e fazem o bem sem olhar a quem.
Amamos as postagens no IG do Leo.A cada fim de show a cada amanhecer.Assim como as do Victor, postagens que nos fazem refletir, sonhar e acreditar. E eu acredito em vocês meninos! !
Assim como eles, nós de fa clubes também sofremos críticas, mas o que nos leva a diante é k amor e acima de tudo RESPEITO ao nossos ídolos.
Em nome do FC Borboletas, parabenizo ao site pela linda entrevista. É isso que querermos de vocês, entrevistas produtivas.